top of page

Bem-vindos à Palestina!



A Palestina é considerada um dos países islâmicos mais importantes e sagrados de todos os tempos, tendo status religioso, cultural, turístico e histórico inexistente em outros grandes países árabes. Está localizada na costa sul do Mar Mediterrâneo, estendendo-se por sua costa oriental até o Vale do Jordão, formando o lado sudoeste do Levante, o que lhe confere importância estratégica e a tornou um ponto de interesse para invasões por muitos países e civilizações - é o coração central do Oriente Médio, ligando o continente asiático (do lado ocidental) e o continente africano (ao norte). A Palestina também é considerada uma encruzilhada de todas as religiões e culturas. É por isso que estão lá algumas das cidades religiosas e históricas mais importantes do mundo, especialmente a capital, Jerusalém, que passou por muitas calamidades, mandatos e a sucessão de várias civilizações como governantes. Atualmente a cidade é totalmente controlada pela entidade israelense, que defende o direito de seu povo a terras, propriedades e até oliveiras desde a catástrofe de 1948, chamada de Nakba, na qual milhares de palestinos, ainda espalhados pelo mundo, foram deslocados e aguardam o retorno.


A Palestina está localizada no ponto geográfico de encontro dos continentes da Ásia e da África e forma a parte sudoeste do Levante, fazendo fronteira com a Síria e o Líbano ao norte e a Jordânia a leste; é limitada a oeste pelo Mar Mediterrâneo, e ao sul pelo Egito. É um país caracterizado por seu clima moderado e distinto, característico da região do Mediterrâneo, que é fria e chuvosa no inverno e quente e seca no verão.



Pontos turísticos


Mesquita de Al-Aqsa e a Cúpula da Rocha

A Cidade Velha de Jerusalém inclui a Mesquita de Al-Aqsa, que é o terceiro lugar mais sagrado para os muçulmanos no mundo. A Cúpula da Rocha é uma estrutura octogonal com quatro portões e faz parte da Mesquita de Al-Aqsa, e é o único edifício islâmico antigo que preservou sua forma e arquitetura.


Igreja da Natividade

A Igreja da Natividade está localizada 10 quilômetros ao sul de Jerusalém, no local conhecido pelos cristãos como o local do nascimento de Cristo. O local contém um mosaico do edifício original e também inclui igrejas e mosteiros latinos, gregos, ortodoxos e armênios, jardins, torres de sino e até um caminho de peregrinação.


Belém

A cidade de Belém é uma das cidades turísticas mais atraentes da Palestina, por ser considerada uma cidade sagrada para os cristãos, local de nascimento de Jesus Cristo. A UNESCO determinou o “Local do nascimento de Jesus: a Igreja da Natividade e a Rota de Peregrinação, Belém” como Patrimônio Mundial por "ser um local identificado com a tradição Cristã como o local de nascimento de Jesus Cristo, desde o século II. O local ainda inclui conventos e igrejas Latinas, Gregas Ortodoxas, Franciscanas e Armênias".


Hebron

Uma das cidades turísticas atraentes do Estado da Palestina é Hebron, famosa por seus locais históricos e religiosos, e é a cidade que contém a famosa Caverna dos Patriarcas, que dizem abrigar os túmulos dos Patriarcas.



Comida tradicional


Maqluba

Maqluba é um prato servido em todo o Levante. Consiste em carne, arroz e vegetais fritos colocados em uma panela que é virada de cabeça para baixo quando servida, daí o nome maqluba (“de ponta-cabeça”). A maqluba pode incluir uma variedade de vegetais, como tomate frito, batata, couve-flor e berinjela, e ser acompanhada de frango ou cordeiro. Os mais comuns são couve-flor e berinjela. Todos os ingredientes são cuidadosamente colocados na panela em camadas, para que quando a panela for invertida para servir, o prato tenha a aparência de um bolo, em camadas. A maqluba costuma ser acompanhada de pinoles e salsa fresca picada, salada e iogurte fresco, e muitas vezes é preparada para festas e grandes reuniões.


Musakhan

Musakhan é um prato da culinária árabe palestina, composto de frango assado com cebola, sumagre (sumac), pimenta da Jamaica, açafrão e pinoles fritos servidos sobre pão taboon. Também é conhecido como muhammar. Muitas vezes é considerado o prato nacional da Palestina.

O prato é simples de fazer e os ingredientes necessários são facilmente obtidos, o que pode contribuir para a sua popularidade. Musakhan é um prato que se come normalmente com as mãos. Geralmente é apresentado com o frango por cima do pão e pode ser servido com sopa. O termo "musakhan" significa literalmente "algo que é aquecido”.


Knafeh

Knafeh é uma sobremesa tradicional do Oriente Médio feita com massa filo ou, alternativamente, massa de semolina fina, embebida em xarope doce à base de açúcar e geralmente coberta com queijo e pistache moído. É muito popular no mundo árabe. Uma das preparações mais conhecidas de knafeh é o knafeh nabulsiyeh, que se originou na cidade palestina de Nablus e é a sobremesa palestina mais representativa e icônica. Knafeh nabilsiyeh usa um queijo de salmoura chamado Nabulsi. É preparado em um prato redondo grande e raso, a massa é colorida com corante alimentício laranja e às vezes coberta com pistache moído.


Roupas tradicionais


Os historiadores acreditam que o vestido palestino remonta à era cananéia, ou seja, há 3.000 anos. Foram encontrados alguns quadros e desenhos em que as roupas das rainhas cananéias eram bordadas nas mesmas formas de bordados que existem hoje, além do uso comum de fios de seda, segundo o livro das rainhas da seda.

A influência da civilização cananéia neste vestido também pode ser vista através dos desenhos de cobras e árvores que faziam parte dele, e a vestimenta era dominada pela cor vermelha (Canaã significa púrpura), cuja tonalidade varia de um lugar para outro - em Jaffa tende a ser vermelho brilhante ou bordô, e Beersheba é do avermelhado ao laranja. Com a entrada da civilização islâmica, a burca (cobertura para o rosto) e a cobertura para a cabeça foram adicionadas ao vestido palestino.


A característica mais proeminente da vestimenta palestina é a diversidade de trajes, cores, padrões e a qualidade dos bordados, de acordo com o caráter de cada região e sua diversidade geográfica, já que as regiões montanhosas se distinguem por um certo estilo que difere dele nas áreas costeiras ou desérticas, e não há dúvida de que os beduínos e as áreas urbanas não são iguais. As roupas do sul e do norte são bordadas de forma circular na forma de flores, pássaros e edifícios, enquanto os residentes de Jericó, na Cisjordânia, preferem usar decorações em forma de triângulos, que são chamados de "véus" porque acreditam que isso mantém os maus espíritos longe deles.

O vestido de montanha é desprovido de bordados devido à natureza da vida que obrigava as mulheres a trabalharem com os maridos no campo e não tinham tempo para a prática do bordado, como é o caso das vestimentas de cidades litorâneas como Majdal, Hamama e Jaffa, que se caracterizavam pela extrema simplicidade. Já o vestido nas regiões de Beersheba, Hebron e Ramallah é o oposto: ele se distingue pela intensidade do bordado devido à disponibilidade de tempo para as mulheres da cidade, e assim diz o provérbio palestino: “Falta de trabalho para aprender bordado”.


A vestimenta de Jerusalém é conhecida pela abundância de bordados e pela diversidade de desenhos, e é uma indicação do bem-estar das mulheres e de sua posição social. Esta vestimenta é caracterizada pela presença de um traço e um símbolo de todas as idades e civilizações que passaram por Jerusalém: o Alcorão como evidência do retorno de Jerusalém ao domínio árabe islâmico, bem como os efeitos da Nakba que mostram tristeza e saudade através do desaparecimento de cores brilhantes.


Pintado nas cores das flores de laranjeira e limão rodeado de cipreste, o vestido de Jaffa é caracterizado com jardins verdes, além de ter influência do vestido turco, que se estendeu a outras cidades como Tiberíades e Haifa. Isso se mostra através da saia e jaqueta bordadas à maneira turca.

O vestido Nablus é semelhante às roupas de Damasco, e isso se deve à natureza civil e comercial de Nablus que o ligava a Damasco e Aleppo, já que as mulheres usam um abaya preto e cobrem o rosto com um lençol que esconde seus traços, e estes são os sinais mais proeminentes de semelhança, enquanto as manifestações de diferença estão nas cores, bordados e linhas vermelhas e verdes. A gravata e o xale, que diferenciam esta região das demais, costumam ser feitos de fios de linho e seda.

Com o crescente interesse em preservar a autenticidade do vestido, a mulher palestina começou a transferir seus desenhos e compartilhar os símbolos de sua própria cidade com outras regiões. Por exemplo, a região de Hebron era famosa pela decoração da tenda de Al-Basha e os desenhos de engenharia prevaleciam nos bordados do norte da Palestina, na Alta Galiléia e em Safed, e a estrela cananéia se tornou esta estrela no traje de Belém, mas todas as decorações se encontram e se movem de um vestido para outro, independentemente da área geográfica, como uma espécie de ênfase na unidade dos territórios palestinos.


511 visualizações0 comentário

Comments


Commenting has been turned off.
bottom of page